Uma abordagem investigativa para o experimento do plano inclinado / An Investigative Approach to the Experiment of the Inclined Plane

  • Michele Hidemi Ueno Guimarães Universidade de São Paulo
  • Bruno dos Santos Simões Universidade Federal de Santa Catarina

Resumen

ABSTRACT

This paper aims to discuss the different approaches that can be adopted by students related to the experiment of the inclined plane. In this work we present two proposal: A traditional approach, with a step by step script, where the students assume a passive posture, and the other approach, which seeks to incite an investigative learning, and where the students take an active posture to the experiment and to the script, which could be understood as a process of education through research. Demo (1998) comments that in this process, the students develop more autonomy, criticality and creativity in their own study/work, making their own interpretations, hypothesis formulation, among other things. Zômpero and Laburú (2012) argue that this kind of activity encourages students to become more autonomous, critical and creative. An investigative activity aims to create an investigative environment in science classes so that the teacher can teach (lead / broker) the students in the process (simplified) of scientific work. What is expected is that students would develop autonomy in the analysis of their results and would be more critical before them. Thus, they would have more active attitude towards new knowledge, or in the interpretation of it, handle it or if necessary, reframing the heuristic adopted.

RESUMO

Este trabalho tem por objetivo discutir as diferentes posturas, que podem ser adotadas por estudantes frente ao expe-rimento do plano inclinado. Apresentamos duas propostas: em uma delas, um roteiro tradicional, com passo a passo, em que o estudante assume uma postura passiva frente ao roteiro; e outra, que busca incitar a uma aprendizagem investigativa, mediante a qual o aluno assume uma postura ativa frente ao experimento e ao roteiro, o que poderia ser entendido como um processo de educar pela pesquisa. Demo (1998) comenta que, nesse processo, o estudante desenvolve autonomia, criticidade sobre seu estudo/trabalho, faz interpretações próprias, formula hipóteses, entre outros fatores. Zômpero e Laburú (2012) argumentam que esse tipo de atividade favorece aos estudantes a se tornarem mais autônomos, críticos e criativos. Uma atividade investigativa tem como objetivo criar um ambiente investigativo nas aulas de Ciências, de maneira que o professor possa ensinar (condu-zir/mediar) os alunos no processo (simplificado) do trabalho científico. O que se espera é que os educandos desenvolvam auto-nomia na análise dos resultados obtidos e que sejam críticos acerca deles, tendo assim uma atitude ativa frente ao novo conhe-cimento, seja para interpretá-lo, manipulá-lo ou se necessário, ressignificar a heurística adotada.

 

Contato principal: micheleueno@usp.br

Biografía del autor/a

Michele Hidemi Ueno Guimarães, Universidade de São Paulo
Possui licenciatura plena em Física pela Universidade Estadual de Londrina (2002), mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (2004) e doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2013). É pósdoutoranda pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2014-2016). Nesse momento, realiza estágio pós-doutoral em Psicologia Clínica no Établissement Public Spécialisé en Santé Mentale de Ville-Evrard - Paris e em Ciências da Educação na Université Lumière Lyon 2 - Lyon, França (2015). Sua pesquisa é na área de Formação de professores de Ciências, atuando na interface Psicanálise e Ensino de Ciências e na Atividade Investigativa no laboratório de Física. Tem experiência na área das Ciências exatas, lecionando disciplinas de Física teórica e experimental.
Bruno dos Santos Simões, Universidade Federal de Santa Catarina
Possui graduação em Física Licenciatura pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2010) e mestrado em Educação Cientifica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013). Atualmente é doutorando em Educação Cientifica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina. Tem experiência na área de Física, com ênfase em Ensino de Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino de Física, Escolha da carreira, Afetividade e TDIC.

Citas

Bachelard, G. (1996). A formação do espírito científico . (Tradução por Estela dos Santos Abreu). Rio de Janeiro: Contraponto.

Borges, A. T. (2002). Novos rumos para o laboratório escolar de Ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19 (3), pp. 291-313.

Brito, A. A. S. (1985). O plano inclinado: um problema desde Galileu. Caderno Catarinense de Ensino de Física, 2 (2), pp. 57-63.

Carvalho, A. M. P. de. (2013). Ensino de Ciências por investigação: Condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning.

— (2010). Ensino de Física . São Paulo: Cengage Learning – Coleção ideias em ação.

— (1999). Termodinâmica : Um ensino por investigação. São Paulo: FEUSP.

Clement, L. (2013). Autodeterminação e ensino por investigação: construindo elementos para promoção da autonomia em aulas de Física. Florianópolis/SC: UFSC.

Demo, P. (1998). Educar pela pesquisa . Campinas: Editora autores associados.

Farias, T.; Simões, B. S.; Trindade, E. C. A. (2013). Tentativa de Superar Obstáculos de Aprendizagem. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia , 6 (3), pp.121-150.

Frison, L. M. B. (2000). Pesquisa como superação da aula copiada. In: Atas do III Seminário de pesquisa em educação da região sul, Porto Alegre.

Galiazzi, M. C. (2011). Educar pela pesquisa . Ijuí: Editora da UNIJUÍ.

Galiazzi, M. C.; Moraes, R. (2002). Educação pela pesquisa como modo, tempo e espaço de qualificação da formação de professores de ciências. Ciência & Educação, 8 (2), pp. 237-252.

Menegat, T. M. C.; Clement, L.; Terrazzan, E. A. (2007). Textos de divulgação cientifica em aulas de física: uma abordagem investigativa. In: VI encontro nacional de pesquisa em ensino de ciências. Anais do VI ENPEC, Florianópolis: ABRAPEC.

Sa, E. F. et al. (2007). As características das atividades investigativas segundo tutores e coordenadores de um curso especialização em ensino de ciências. In: VI encontro nacional de pesquisa em ensino de ciências. Anais do VI ENPEC, Florianópolis: ABRAPEC.

Sasseron, L. H. (2010). Alfabetização científica e documentos oficiais brasileiros : Um diálogo na estrutura do ensino de Física. In: Ensino de Física. São Paulo: Cengage Learning – Coleção ideias em ação.

Silveira, F. L. (2007). Inclinações das ruas e das estradas. Física na Escola, 8 (2), pp. 16-18.

Ueno-Guimarães, M. H. (2014). A escolha pela Física: Gosto ou desafio? Saarbrücken, Alemanha: Ed. Novas Edições Acadêmicas.

Ueno-Guimarães, M. H.; Simões, B. S. (2015). Como se chegar ao valor da aceleração da gravidade: processo demonstrativo ou investigativo? In: Atas do XXI simpósio nacional de ensino de Física, Uberlândia – MG.

Zômpero A.; Laburú, C. E. (2012). Implementação de atividades investigativas na disciplina de Ciências em escola pública: Uma experiência didática. Investigações em Ensino de Ciências, 17 ( 3), pp. 675-684.

Publicado
2015-03-06
Cómo citar
Ueno Guimarães, M. H., & dos Santos Simões, B. (2015). Uma abordagem investigativa para o experimento do plano inclinado / An Investigative Approach to the Experiment of the Inclined Plane. Revista Internacional De Aprendizaje En Ciencia, Matemáticas Y Tecnología, 2(2). Recuperado a partir de https://journals.epistemopolis.org/cienciaymat/article/view/917
Sección
Artículos