Um abismo vigiado: segurança e soberania no discurso jornalístico televisual sobre fronteiras na Amazônia / An Abyss Guarded: Security and Sovereignty in Televisual Journalistic Discourse about Amazon Frontiers

  • Aline Roes Dalmolin Universidade Federal de Santa Maria
  • Ada Cristina Machado Silveira Universidade Federal de Santa Maria

Resumen

ABSTRACT

The Amazon region, when it’s part of the agenda of the Brazilian media, reflects an interesting contradiction: despite being the target of intense surveillance by national vehicles it remains covered by a large shadow region. This article seeks to reflect about the journalistic coverage of the international borders of the country and its object are the matters displayed on a TV show named Fantástico, on Globo Television of Brazil, which comment Amazon frontiers. The notions of discourse and discursive formations, developed by Michel Foucault (1971 2008b), give support to methodological appropriation of the empirical object. Another Foucault’s concept, the panoptic (Foucault, 2012), coupled with the comprehension of abyssal epistemological lines, according to Boaventura de Souza Santos (2007), help us to circumscribe theoretically the research problem. As a result, we verified that the analyzed television materials reproduce the border stigma which exists in the coverage of other vehicles, observed in previous studies, acting as alarm systems (Silveira, 2009, 2012), giving too much emphasis to aspects such as risks to national sovereignty, instead of the cultural and identity contexts border and the peculiarities of the Amazon context.

RESUMO

A região amazônica, quando pauta da mídia brasileira, reflete uma interessante contradição: permanece encoberta por uma grande região de sombra apesar de ser alvo de uma intensa vigilância por parte dos veículos nacionais. O presente artigo busca refletir sobre a cobertura jornalística das fronteiras internacionais do país, tendo como objeto as matérias exibidas no programa Fantástico, da TV Globo do Brasil, que abordam as fronteiras amazônicas. As noções de discurso e formações discursivas, desenvolvidas por Michel Foucault (1971, 2008b), dão o amparo para a apropriação metodológica do objeto empírico. Outro conceito foucaultiano, o de panóptico (Foucault, 2012), associado à compreensão das linhas epistemológicas abissais, conforme Boaventura de Souza Santos (2007), nos ajudam a circunscrever teoricamente o problema de pesquisa. Como resultados, verificamos que as matérias televisivas analisadas reproduzem o estigma fronteiriço presente nas coberturas de outros veículos, observados em trabalhos anteriores, ao atuarem como sistemas de alarme (Silveira, 2009, 2012), dando ênfase excessiva a aspectos como os riscos à soberania nacional, em detrimento das particularidades culturais e identitárias dos contextos fronteiriços e das peculiaridades do contexto amazônico.

Biografía del autor/a

Aline Roes Dalmolin, Universidade Federal de Santa Maria
Professora Adjunta do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria. Possui graduação em Comunicação Social - Habilitação Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Maria (2004), mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2007) e doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2012).
Ada Cristina Machado Silveira, Universidade Federal de Santa Maria
Professor Associado IV da Universidade Federal de Santa Maria. Pesquisador do CNPq (Pq2). Possui graduação em Comunicação Social Jornalismo pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1982), é Magister en Periodisme i Ciències de la Comunicació - Universitat Autònoma de Barcelona (1998), com mestrado em Extensão Rural pela Universidade Federal de Santa Maria (1992), Doctorado en Periodismo - Universitat Autònoma de Barcelona (2000) e com estágio pós-doutoral na Sorbonne III - La Nouvelle (França) e na Universidad Nacional de Quilmes (Argentina).

Citas

Araújo, Ludmila, R. A. and Silva, S. (2010). A Amazônia Sob o Olhar Da Mídia. Anais Do XXXIII Congresso Brasileiro de Ciências Da Comunicaçao , pp. 1-9.

Bacin, M. (2012). Câmeras de Segurança: o Panóptico a Serviço Do Telejornalismo. Anais Do 4º Encontro Do Núcleo Gaúcho de História Da Mídia , pp. 1-15.

Baines, S.G. (2012). O Movimento Político Indígena Em Roraima: Identidades Indígenas e Nacionais Na Fronteira Brasil-Guiana. Caderno CRH, 25 (64), pp. 33-44.

Barbosa, G. C. (2008). Atitudes em fronteira: o caso de Tabatinga e Letícia. Forma y Función, 21, pp. 303-324.

Bauman, Z. (2004). Modernidad Líquida . Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

Bittencourt, M. P. H. de. (2008). Jornalismo e Amazônia - Inovação Na Cobertura Da Questão Ambiental Amazônica. Anais Do XXXI Congresso Brasileiro de Ciências Da Comunicação , pp. 1.11. Natal, RN: Intercom.

Brasil (2005). Proposta de Reestruturação do Programa de Desenvolvimento da Faixa de Fronteira (p. 418). Brasília.

Bueno, M.F. (2002). O Imaginário Brasileiro Sobre a Amazônia. Universidade de São Paulo. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-11052004-103058/publico/Dissertacao_Magali_Saber_USP.pdf.

Coelho, L.R. and Julião, L. (2008). Análise Da Construção Do Discurso Ambiental Pela Revista Veja a Partir Das Capas Sobre a Amazônia. Anais Do X Congresso de Ciências Da Comunicação Da Região Nordeste, p. 11.

Coimbra, C. M. (2001). Mídia e Produção de Modos de Existência. Psicologia: Teoria e Pesquisa 17, pp. 1-4.

Dias, A. S., Mascarenhas, G.L., Silveira, A.C.M. (2011). O olhar da Tríplice Fronteira sobre si mesma: o caso da Gazeta do Iguaçu. Anais do XII Congresso de Ciências da Comunicação da Região Sul – Intercom Sul, Brasil.

Dutra, M. J. (2001). A Amazônia na TV: produção de sentido e o discurso da ecologia. Anais do XXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Campo Grande: Intercom.

Foucault, M. (1971). L’Ordre du discours: leçon inaugurale ao Collège de France prononcée le 2 décembre 1970. Paris: Éditions Gallimard.

— (2003). Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal.

— (2008a). Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes.

— (2008b). Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

— (2012). Vigiar e punir; nascimento da prisão . Petrópolis: Vozes.

Gomes, L. (2011). É Fantástico! Gênero e modos de endereçamento no telejornalismo show. Em I. Gomes (ed.), Gêneros televisivos e modo de endereçamento no telejornalismo. Salvador: Edufba.

Guimarães, I. P. & Silveira, A. C. M (2012). Sobre lugares de crimes e castigos: periferia e imaginário colonial. Anais do XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, Brasil.

— (2012). O imaginário midiático das fronteiras na cobertura jornalística. Anais de la Conferencia Regional UC-ICA. Santiago do Chile, Chile.

Heck, E., Loebens, F. e Carvalho, P. (2005). Amazônia indígena: conquistas e desafios. Estudos Avançados, 19 (53), pp. 237-257.

Lopes, L.C. (2006). A TV aberta brasileira: economia política, cultura e comunicação. Unirevista, 1 (3), pp. 1-119.

Ijuim, J. K. (2013). Imprensa e preconceito: O pensamento abissal nos meios de comunicação e a deslegitimação de grupos sociais. In Actas Ibercom (pp. 1–11). Santiago de Compostela. Retrieved from http://www.estudosaudiovisuais.org/lusofonia/?page_id=844

Machado, L.O. (2007). Região, Fronteiras e Redes Ilegais: Estratégias Territoriais Na Amazônia Sul-Americana. Limes - Revista Italiana Di Geopolitica (3), pp. 173–183.

Oliveira, M. (2006). A mobilidade humana na tríplice fronteira: Peru, Brasil e Colômbia. Estudos Avançados, 57, pp. 183-196.

Priolli, G. (2003). Antenas da brasilidade. Em E. Bucci (ed.), A TV aos 50: Criticando a televisão brasileira no seu cinquentenário. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Santos, B. De S. (2007). Para Além Do Pensamento Abissal. Novos Estudos (79), pp. 71-94.

Silva, G. (2005). Para Pensar Critérios De Noticiabilidade. Estudos Em Jornalismo e Mídia, II (1), pp. 95-107.

Silveira, A. C. M. (2009). Modos de ver e devorar o outro: a ambivalência na cobertura jornalística das periferias. Ghrebh, 2 (14), pp. 157-176.

— (2012). A Cobertura Jornalística de Fronteiriços e Favelados – Narrativas Securitárias e Imunização Contra a Diferença. Intercom: Revista Brasileira de Ciências Da Comunicação 35 (1), pp. 75–92.

Steinbrenner, R. (2007). Amazônia na Fronteira entre a Ciência e a Mídia: submissão ou superação do mito? Anais do XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Santos: Intercom.

Théry, H. (2005). Situações de Amazônia no Brasil e no continente. Estudos Avançados, 19 (53), pp. 37-49.

Tuchman, T. (2003). A objetividade como ritual estratégico. In.: N. Traquina (ed.), Jornalismo, questões, teorias e histórias. Lisboa: Vega.

Publicado
2016-03-30
Cómo citar
Roes Dalmolin, A., & Machado Silveira, A. C. (2016). Um abismo vigiado: segurança e soberania no discurso jornalístico televisual sobre fronteiras na Amazônia / An Abyss Guarded: Security and Sovereignty in Televisual Journalistic Discourse about Amazon Frontiers. Revista Internacional De Ciencias Sociales, 5(1), 29-41. Recuperado a partir de https://journals.epistemopolis.org/csociales/article/view/368
Sección
Artículos