Do currículo mínimo aos novos referenciais curriculares de 2009: a trajetória curricular dos cursos de Comunicação Social no Brasil / From the Minimum Curriculum to the New Curriculum Frameworks of 2009: the Social Communication Course Curricular Trajectory in Brazil

  • Ediene do Amaral Ferreira Universidade do Vale do Itajaí
  • Verônica Gesser Universidade do Vale do Itajaí

Resumen

ABSTRACT

This paper aims to identify the Communication course curricular trajectory in Brazil, in order to reflect on possible impacts on teaching and learning processes within the local educational contexts of undergraduate Social Communication courses. The discourses present in curricular public policies towards this area of knowledge have been shaped by neoliberal logic, which features a context governed by the laws of the market and the democratic Social Welfare State mischaracterization, that is, the State reduction and “market and quasi-market” appreciation. The current recommendations of the Brazilian national curricular frameworks for Social Communication exemplify the management of private interests, of large enterprises in the Multinational Educational and Telecommunications area, through the expansion of outsourced educational services and products. The disentanglement of qualifications weakens the area and isolates the knowledge in related areas, massing a speech in favor of the market. Thus, the Brazilian higher education has been suffering the impact of denationalization of the state, which is causing profound changes in how curriculum public policies are being implemented.

RESUMO

Este trabalho tem como objetivo identificar a trajetória curricular dos cursos de Comunicação no Brasil, visando refletir sobre possíveis impactos nos processos de ensino e de aprendizagem no âmbito dos contextos educacionais locais dos cursos de graduação de Comunicação social. Os discursos presentes nas políticas públicas curriculares dirigidas a esse campo do conhecimento vêm sendo modelados pela lógica neoliberal, a qual caracteriza um contexto governado pelas leis de mercado e pela descaracterização do Estado de Bem-estar Social democrático, ou seja, a redução do Estado e a valorização do “mercado e quase-mercado”. As atuais recomendações dos referenciais curriculares nacionais brasileiros para a Comunicação Social exemplificam a gerência de interesses privados, de grandes empresas do ramo Educacional Multinacional e de Telecomunicações, pela expansão dos serviços e dos produtos educacionais terceirizados. A desarticulação das habilitações enfraquece a área e isola o conhecimento em áreas afins, massificando um discurso que vem para favorecer o mercado. Assim sendo, a educação superior brasileira vem sofrendo o impacto da desnacionalização do Estado, o que está provocando profundas mudanças em como as políticas públicas de currículo vêm sendo implementadas.

Biografía del autor/a

Ediene do Amaral Ferreira, Universidade do Vale do Itajaí
Doutoranda em Educação pela UNIVALI. Mestre em Comunicação Social e especialista em Teorias do Jornalismo e comunicação de massa pela Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre. Professora da Universidade do Vale do Itajaí das disciplinas Teorias da Comunicação e Sociedade e Cultura. Professora responsável pelo projeto de extensão Casulo- Informação que transforma.
Verônica Gesser, Universidade do Vale do Itajaí
Doutora em Educação - Currículo e ensino - pela Florida International University, USA. Mestra em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atualmente é vice-coordenadora, professora e pesquisadora da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) no Programa de Pós-Graduação Stricto-Sensu em Educação (Mestrado e Doutorado). É coordenadora Institucional do PIBID e Professora no Núcleo das Licenciaturas (presencial e EaD) da Univali. Tem experiência na área de Educação Básica e Superior, com ênfase em Teoria Geral de Planejamento e Desenvolvimento Curricular, atuando, principalmente, nos seguintes temas: Políticas Públicas, Currículo e Avaliação Educacional.

Citas

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Jornalismo. Parecer Homologado. Despacho do Ministro. Diário Oficial da União , de 12/9/2013, Seção 1, p. 10.

Ministério da Educação. Educação superior. (2010a). Currículo do curso de relações públicas terá novas diretrizes. 16 julho 2010, acessado em 26 maio 2013. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=15676:curriculo-do-curso-derelacoes-publicas-tera-novas-diretrizes&catid=212&Itemid=86.

Ministério da Educação. (2010b). Referenciais Curriculares Nacionais dos Cursos de Bacharelado e Licenciatura . Secretaria de Educação Superior. Brasília: 2010. p. 99.

Caldas, Graça. (2003). Ensino de Comunicação no Brasil: Panorama e Perspectivas. In Peruzzo, C.; Silva, R. B. (Orgs). Retrato do Ensino em Comunicação no Brasil (pp. 15-29). São Paulo : INTERCOM.

Faro, José Salvador. (2003). Diretrizes Curriculares para o Ensino de Comunicação Social: Uma história que mudou as perspectivas dos cursos. In Peruzzo, C.; Silva, R. B. (Orgs). Retrato do Ensino em Comunicação no Brasil (pp. 139-146). São Paulo: INTERCOM.

Fontoura, Maria M. (2008). Política e ação Pública. Entre uma regulação centralizada e uma regulação multipolar. Revista Portuguesa de Educação . Universidade do Minho, n. 2, pp. 5-31.

Kunsch, Margarida K. (2003). Propostas pedagógicas para o curso de Relações Públicas: análises e perspectivas. In Peruzzo, C.; Silva, R. B. (Orgs). Retrato do Ensino em Comunicação no Brasil (pp. 45-62) . São Paulo: INTERCOM.

Kunsch, Margarida e M. Krohling et al. (2010). Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Relações Públicas. Relatório da comissão de especialistas instituída pelo Ministério da Educação . Portaria 595/2010, de 24 de maio de 2010. Brasília, 20 out 2010.

Freitas, R.; Lucas, L. (2002). Desafios contemporâneos em Comunicação : perspectivas de Relações Públicas. São Paulo: Summus.

Luz, Liliene X. (2011). Empresas privadas e educação pública no Brasil e Argentina. Educação & Sociedade . Campinas 32(115), 437-452.

Melo, José Marques de. (1998). “Comunicação Social. Brasília”. Seminário Diretrizes Curriculares – ABMES, 11 de março 1998.

— (2007). A batalha da qualidade no ensino de comunicação: novos (antigos) desafios. In: Kunsch, Margarida (Org). Ensino de Comunicação : qualidade na formação Acadêmico-Profissional (pp. 33-42) . São Paulo: ECA-USP Intercom.

Melo, José Marques de et al. (2009). “Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Jornalismo”. Relatório da Comissão de Especialistas instituída pelo Ministério da Educação. Portaria Nº 203/2009, de 12 de fevereiro de 2009, acessado em 12 abril 2013, http://www.fenaj.org.br/educacao/documento_final_cursos_jornalismo.pdf.

Moura, Claudia Peixoto. (2002). O curso de Comunicação Social no Brasil : do currículo mínimo às diretrizes curriculares. Porto Alegre: EDIPUCRS.

— (2007). Padrões de Qualidade no Ensino de Comunicação no Brasil. In Kunsch, Margarida (Org). Ensino de Comunicação: qualidade na formação Acadêmico-Profissional. São Paulo: ECA-USP Intercom, pp. 43-62.

Pomar, Pedro. (2013). Novo currículo do curso de jornalismo escamoteia poder do oligopólio. Carta Maior. 19 maio 2013, acessado em 26 maio 2013, http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Educacao/Novo-curriculo-do-curso-de-jornalismo-escamoteia-poder-dooligopolio/13/27785.

Publicado
2014-03-06
Cómo citar
do Amaral Ferreira, E., & Gesser, V. (2014). Do currículo mínimo aos novos referenciais curriculares de 2009: a trajetória curricular dos cursos de Comunicação Social no Brasil / From the Minimum Curriculum to the New Curriculum Frameworks of 2009: the Social Communication Course Curricular Trajectory in Brazil. Revista Internacional De Ciencias Sociales, 3(2). Recuperado a partir de https://journals.epistemopolis.org/csociales/article/view/810
Sección
Artículos