Humanização na área da saúde: um problema político ou cultural? / Humanization in the Healthcare: A Political or Cultural Problem?

  • Marlon Ribeiro da Silva Universidade Federal de São Paulo

Resumen

ABSTRACT

Since 2004, in Brazil, there is the National Humanization Policy, which tries to humanize the services of the “Sistema Único de Saúde” (SUS). In this article we’ll seek, in counterpoint to the philosophical values that head such political guidelines, to bring a colaboration referenced on the philosophers Immanuel Kant and Friedrich Schiller, thinking the humanization not as results of political initiatives, normative or legal, but rather, as an educational process, continuous and, above all, aesthetical, based on the art experience and on the “taste education”. We’ll seek, starting with a purely theoretical reflection, to suggest a humanization concept out of a humanist perspective.

RESUMO

No Brasil, desde 2004, existe a Política Nacional de Humanização, que busca humanizar os serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). Neste artigo procuraremos, em contraposição aos valores filosóficos que norteam tais diretrizes politicas, trazer uma colaboração referenciada nos filosofos Immanuel Kant e Friedrich Schiller, pensando a humanização não como resultado de iniciativas politicas, normativas ou legislativas mas, antes, como um processo educacional, contínuo e, acima de tudo, estético, com base na experiencia da arte e da “educação do gosto”. Procuraremos, assim, partindo de uma reflexão puramente teórica, sugerir um conceito de humanização a partir de uma perspectiva humanística.

Biografía del autor/a

Marlon Ribeiro da Silva, Universidade Federal de São Paulo
Historiador formado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Mestre em ciências pelo Programa de Pós-Graduação Saúde Coletiva do Departamento de Medicina Preventiva da Universidade Federal de São Paulo com a pesquisa intitulada: “Experimentando Goethe: O romance ‘Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister’ como desencadeador de reflexão e humanização num cenário de formação humanística na área da saúde” e doutorando no Programa de PósGraduação em Oftalmologia e Ciências Visuais da Universidade Federal de São Paulo.

Citas

Ana, C. O. y Stela, N.O. (2012). Humanização, gênero, poder: contribuições dos estudos de falaem- interação para atenção à saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Ayres, J. R. (2005). Hermenêutica e humanização das práticas de saúde. Ciência e saúde coletiva, 10 (3), pp. 549-560.

Barbosa, R. (2004). Schiller & a cultura estética. Rio de Janeiro: Editora Zahar.

Beckert, C. (1996). Acerca da letra e do Espírito: A interpretação Schilleriana de Kant. En L.R. Santos (eds), Educação Estética e Utopia Política (pp. 125.135). Lisboa: Editora Colibri.

Benevides, R. y Passos, E. (2005). Humanização na saúde: um novo modismo? Interface – Comunic., Saude, Educ., 9 (17), pp. 389-94.

Blanc, M. F. (1996). Da Beleza como Modelo de Humanidade à Beleza como Transcendental do Ser – Uma Leitura das “Cartas” de Schiller. En L.R. Santos (eds), Educação Estética e Utopia Política (pp. 137-157). Lisboa: Editora Colibri.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Humaniza/SUS: (2008). Documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Brasília: Ministério da Saúde.

Cadete, T. S. (1996). Jogos de Guerra ou a Pomba e a Serpente: Reflexões em Torno das Batalhas Civilizacionais da Modernidade. En L.R. Santos (eds), Educação Estética e Utopia Política (pp. 171-180). Lisboa: Editora Colibri.

Deslandes, S. F. (2011). Humanização dos cuidados em saúde: conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

— (2005). O projeto ético-político da humanização: conceitos, métodos e identidade. Interface – Comunic., Saude, Educ., 9(17), pp. 401-3.

Deslandes, S.F. y Mitre, R.M. (2009). Processo comunicativo e humanização em saúde. Interface - Comunic., Saude, Educ., 13(1), pp. 641-9.

Gallain, D.C. (2000). A (re) humanização da medicina. Psiquiatria na Prática Médica, 33 (2), pp. 5-8. Disponível em: http://www.unifesp.br/dpsiq/polbr/ppm/especial02a.htm acesso em: 04 de junho de 2012.

Gallain, D.C., Ponde, L. F. y Ruiz, R. (2012). Humanização, humanismos e humanidades: Problematizando conceitos e práticas no contexto da saúde no Brasil. Revista Internacional de Humanidades Médicas, 1 (1).

Garcia, M. A., Ferreira, F. P y Ferronato, F. A. (2012). Experiências De Humanização Por Estudantes De Medicina. Trabalho Educação e Saúde, Rio de Janeiro, 10 (1), pp. 87-106.

Heckert, A. L. y Neves, C. A. (2010). Modos de formar e modos de intervir: quando a formação se faz potência de produção de coletivo. En: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Formação e intervenção. Cadernos Humaniza SUS, 1 (pp. 13-28). Brasília: Ministério da Saúde.

Kant, I. (2009). Antropologia de um Ponto de Vista Pragmático (Trad. Clélia Aparecida Martins). São Paulo: Iluminuras.

— (2010). Rumo à Paz Perpétua (Trad. Heloísa Sarzana Pugliesi). São Paulo: Editora Ícone.

Pasche, D. F. y Passos, E. (2010). Cadernos Temáticos PNH: formação em humanização. En: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Formação e intervenção. Cadernos Humaniza SUS, 1 (pp. 05-10). Brasília: Ministério da Saúde.

Schiller, F. (2009). Cultura Estética e Liberdade (Trad. Ricardo Barbosa). São Paulo: Editora Hedra.

— (2011). A Educação Estética do Homem (Trad. Roberto Schwarz e Márcio Suzuki). São Paulo: Iluminuras.

Souza, L.A. y Mendes, V.L. (2009). O conceito de humanização na Política Nacional de Humanização (PNH). Interface, 13 (1), pp. 681-688.

Publicado
2015-03-05
Cómo citar
Ribeiro da Silva, M. (2015). Humanização na área da saúde: um problema político ou cultural? / Humanization in the Healthcare: A Political or Cultural Problem?. Revista Internacional De Humanidades Médicas, 4(1). Recuperado a partir de https://journals.epistemopolis.org/hmedicas/article/view/854
Sección
Artículos