Comunicação, humanidades e humanização: conceituação e experiências na formação profissional no campo da saúde / Communication, Humanities and Humanization: Concepts and Experiences in Professional Education in the Health Field

  • Mario Alfredo De Marco Universidade Federal de São Paulo
  • Mariella Vargas Degiovani Universidade Federal de São Paulo

Resumen

ABSTRACT

This paper discusses the concepts of humanization and humanities and presents a review of the field, discussing the roles historically assigned to nature and culture in the constitution of the subject. A review of the historical movement that has been rescuing valuation of the application of this knowledge in the field of health professionals training, illustrating this movement through the report of a work that has been developing for several years in the field of medical teaching taking as reference the guidelines outlined in this study.

RESUMEN

Este artigo discute os conceitos de humanização e humanidades e apresenta uma revisão do campo, discutindo os papéis historicamente atribuídos à natureza e à cultura na constituição do sujeito. É apresentada uma revisão do movimento histórico que vem resgatando a valoração da importância da aplicação destes conhecimentos no campo da formação dos profissionais da área da saúde, ilustrando este movimento através do relato de um trabalho que vem sendo desenvolvido há vários anos no campo da graduação em medicina tendo como referencial as diretrizes esboçadas neste estudo.

Biografía del autor/a

Mario Alfredo De Marco, Universidade Federal de São Paulo
Professor Associado do Departamento de Psiquiatria da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP), onde tem desenvolvido inúmeras atividades de ensino, pesquisa, extensão e administrativas, tendo implantado vários serviços e ocupado cargos universitários e de coordenação de disciplinas, serviços, cursos e programas. Sua principal linha de trabalho envolve a aplicação dos conhecimentos do campo da Saúde Mental ao campo das práticas e formação em saúde. É graduado em Medicina pela Escola Paulista de Medicina (1972) onde completou a residência em psiquiatria (1974). Tem título de especialista em Psiquiatria pela Associação Brasileira de Psiquiatria (1975) e em Psicanálise pela Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica e International Association for Analytical Psychology (1983). É mestre em Psiquiatria e Psicologia Médica (1993) e Doutor em Ciências (2005) pela Universidade Federal de São Paulo. É professor-orientador dos Programas de Pós-Graduação “Ensino em Ciências da Saúde” do CEDESS da UNIFESP e “Saúde Coletiva” do Departamento de Medicina Preventiva da UNIFESP. Tem experiência na área de Psiquiatria, Psicologia Médica, Psicanálise e Psicossomática pesquisando e publicando sobre temas relacionados a metodologia de ensino na área de saúde, intervenções integradoras no campo da saúde (Interconsulta, Programas de Ligação, Comunicação e capacitação profissional, Humanidades Médicas) e prevenção e assistência à saúde do profissional de saúde. É coordenador do Serviço de Atenção Psicossocial Integrada em Saúde (SAPIS) do Departamento de Psiquiatria da UNIFESP.
Mariella Vargas Degiovani, Universidade Federal de São Paulo
Coordenadora da Psicologia da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Sao Paulo - HU-UNIFESP, Professora de Psicologia Medica, Tutora E preceptora da Reside.

Citas

Bion, W.R. (1991). O Aprender Com A Experiência . Rio De Janeiro: Editora Imago.

— (1992). Cogitações . Rio De Janeiro: Editora Imago.

Brayner, S. (org.) (1981). O Conto de Machado de Assis: antologia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Damásio, A. (1996). O Erro de Descartes. Ed. Cia. da Letras, São Paulo.

— (2011). E o Cérebro Criou o Homem. Ed. Cia. da Letras, São Paulo.

De Marco, M. A. (2003). A Face Humana da Medicina. Ed. Casa do Psicólogo, São Paulo.

—, A. C. Lucchese, C. C. Dias, C. C. Abud, L. A. Nogueira-Martins (2009). “Semiologia Integrada - uma experiência de aproximação antecipada e integrada à prática médica”. Revista Brasileira de Educação Médica 33, pp. 282-290.

—, A. L. Vessoni, A. Capelo, C. C. Dias (2010). “Laboratório de comunicação: ampliando as habilidades do estudante de medicina para a prática da entrevista”. Interface (Botucatu. Impresso), 14(32), pp. 217-227.

—, M. V. Degiovani, D. M. C. Gallian, A. C. Lucchese (2011). “Conhecendo pessoas uma ciência, uma arte: Breve relato de uma experiência na Graduação Médica da EPMUNIFESP”. Interface 15, pp. 1219-1222.

—, Abud, C.C., Lucchese, A.C., Zimmermann, V. (2012). Psicologia Médica: Abordagem Integral do Processo Saúde-Doença. Ed. Artmed, Porto Alegre.

Dixon, T (2012). “Emotion”. The History of a Keyword in Crisis Emotion Review 4, p. 338. Originally published online 2, doi:10.1177/1754073912445814.

Gomes, R.M. e L. B. Schraiber (2011). “A dialética humanização-alienação como recurso à compreensão crítica da desumanização das práticas de saúde: alguns elementos conceituais”. Interface (Botucatu. Impresso), 15, pp. 336-350.

Grant, V. J. (2002). “Making room for medical humanities”. Med. Humanities , 28, pp. 45-48.

Hoffman, M.L. (2000). Empathy and moral development: Implications for caring and justice. New York: Cambridge University Press.

Hunter, P. (2010). “The basis of morality”. EMBO reports 11, pp. 166–169, doi:10.1038/embor.2010.19.

Jung, C. G. (1987). O Eu e o inconsciente. Petrópolis: Vozes.

Kesselring, T. (2006). “Ética e Emoções Morais”. Cadernos IHU Ideias , 4(52).

Llanes, M. E. M. (2011). “Ciencias Sociales y Humanísticas en la formación médica”. Rev. Hum. Med. 11(1). Ciudad de Camaguey.

Macgowan, P.O. e M. Szyf (2010). “The epigenetics of social adversity in early life: implications for mental health outcomes”. Neurobiol Dis. 39(1), pp. 66-72, doi:10.1016/j.nbd.2009.12.026.

Macnaughton, J. (2000). “The humanities in medical education: context, outcomes and structures”. Med. Humanities 26, pp. 23-30.

Molnar-Szakacs, I. (2011). “From actions to empathy and morality – A neural perspective”. Journal of Economic Behavior & Organization , 77, pp. 76–85.

Murgatroyd, C. e D. Spengler (2011). “Epigenetics of early child development”. Front. Psychiatry. 2, 16, doi:10.3389/ fpsyt.2011.00016.

Nunes, E. (2006). “Saúde coletiva: uma história recente de um passado remoto”. Em: G. W. de S. Campos, M. C. de S. Minayo, M. Akerman, M. Drumondjr e Y. M. Carvalho, Tratado de saúde coletiva (pp. 295-315). Rio de Janeiro, Hucitec, Fiocruz.

Osler, W. (1950). Aphorisms from his bed side teachings and writings. Collected by Robert Bennett Bean; edited by William Bennett Bean. New York,Henry Schuman,Inc.

Rees, G. (2010). “The Ethical Imperative of Medical Humanities”. J. Med. Humanit. , 31, pp. 267–277.

Rios, I. C. e L. B. Schraiber (2011). “Uma relação delicada: estudo do encontro professor-aluno”. Interface (Botucatu. Impresso), v. 15, p. 39-52.

Schraiber, L. B. (1997). “No Encontro da Técnica com a Ética: o exercício de julgar e decidir no cotidiano do trabalho em medicina”. Interface , 1(1), pp. 123-140.

Tapajós, R. (2002). “A introdução das artes nos currículos médicos”. Interface (Botucatu. Impresso), 6(10), pp. 27-36.

Tolstoi, L. (1998). A Morte de Ivan Ilitch. São Paulo: Publifolha.

Varella, D. (2007). O Medico Doente. São Paulo: Companhia das Letras.

Whitmont, E. C. (1995). A Busca do Símbolo. São Paulo: Editora Cultrix.

Winnicott, D.W. (2000). Da Pediatria à Psicanálise. Rio de Janeiro: Imago.

Publicado
2013-03-05
Cómo citar
De Marco, M. A., & Vargas Degiovani, M. (2013). Comunicação, humanidades e humanização: conceituação e experiências na formação profissional no campo da saúde / Communication, Humanities and Humanization: Concepts and Experiences in Professional Education in the Health Field. Revista Internacional De Humanidades Médicas, 2(1). Recuperado a partir de https://journals.epistemopolis.org/hmedicas/article/view/1309
Sección
Artículos