Acceso abierto Acceso abierto  Acceso restringido Suscripción o acceso de pago

Tecendo relações entre educação e saúde: processo de escolarização de alunos gravemente enfermos

Amália Neide Covic Amália, Fabiana Aparecida de Melo Oliveira Fabia (Universidade Federal de São Paulo), Victor Gottardello Zecchin Vistor Zecchi (Universidade Federal de São Paulo/GRAACC), André Covic Bastos Covic (Universidade Estadual de Campinas)

Resumen


O objeto deste estudo são pesquisas produzidas pelo grupo multiprofissional de Educação e Saúde em um centro de atendimento infanto-juvenil ao paciente com câncer de uma cidade brasileira. Selecionamos uma investigação que tem como objetivo estudar e determinar as especificidades escolares dos alunos submetidos ao transplante de células hematopoiéticas (TCH). Estudamos o processo de intervenção escolar com 200 alunos-pacientes, no intervalo de 2000-2015. Realizou-se quatro anotações para a articulação de conhecimentos voltados às práticas sociais de linguagem do ano escolar em curso. Os alunos submetidos ao TCH apresentam processo de escolarização irregular necessitando de orientação às demandas específicas curriculares.


Texto completo:

PDF

Referencias


Agamben, G. (2012). Homo Sacer, o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Agamben, G. (2014). Infância e História, destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Anders, J. C.; Lima, R. A. G. de. (2004). Crescer como transplantado de medula óssea: repercussões na qualidade de vida de crianças e adolescentes. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, 12(6), 866-874.

Atkinson, A. (edt.). (2004). Clinical Bone Marrow and Blood Stem Cell Transplantation. Cambridge: University Press.

Baldomero,H. et al. (2010). Hematopoietic Stem Cell Transplantation: A Global Perspective. The Journal of the Americam Medical Association, 303(16), 1617-1624.

Barros, A. S. S. (2007). Contribuição da educação profissional em saúde à formação para o trabalho em classes hospitalares. Cadernos Cedes, 27(73), 257-278.

Belizário, J. E. (2002). O próximo desafio: reverter o câncer. Ciência hoje, 315(184).

Covic, A. N. e Oliveira, F. A. de M. (2011). O Aluno Gravemente Enfermo. São Paulo: Cortez.

Covic, A. N. et al. (2014). Estudo do desenvolvimento escolar de alunos da educação básica que passaram pelo tratamento oncológico. Em: Anais do XIV Congresso Brasileiro de Oncologia Pediátrica. Brasília: Sobope.

Creswell, J. (1998). Qualitative Inquiry and Research Design, Choosing among Five Traditions. California: Sage Publications.

Debra L. et al. (2010). Subsequent Neoplasms in 5-Year Survivors of Childhood Cancer: The Childhood Cancer Survivor Study (CCSS). J Natl Cancer Inst, 102 (14), 1083-1095.

Estebán, M. P. S. (2003). Investigación Cualitativa em Educación, fundamentos y tradiciones. Madrid:McGraw-Hill.

Freitas, M. C. e Biccas, M. de S.(2009). História social da educação no Brasil (1926 – 1996). São Paulo: Cortez.

Gadamer, H-G. (1998). Verdade e Método: Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Vozes.

Habermas, J. (2003). Consciência Moral e Agir Comunicativo. Rio de Janeiro: Tempo Universitário 84.

Hegel, G. W. F. (1992, V1). Fenomenologia do Espírito. Petrópolis: Vozes.

Holanda, A. (2006). Questões sobre pesquisa qualitativa e pesquisa fenomenológica. Análise Psicológica, 24(3), 363-372.

Inca. (2007). Estimativa 2008: incidência de câncer no Brasil. Instituto Nacional do Câncer. Rio de Janeiro: Brasil.

Jarvis, P. (2009). Learning to be a Person in Society. London: Routledge.

Kanemoto, E. e Covic, A. N. (2011). Escola, Esquecimento e Morte. Em: Santos, F. S. Santos (edt), Cuidados Paliativos: diretrizes humanização e alívio de sintomas. São Paulo: Atheneu.

Loggetto, S. R.; Park, M. V. F. e Braga, J. A. P. (org.) (2012). Oncologia para Pediatra, série atualizações pediátricas. São Paulo: Atheneu.

Mastropietro, A. P.; Oliveira-Cardoso, E. A. de e Santos, M. A. (2011). Vida ocupacional de pacientes sobreviventes ao transplante de medula óssea: estudo exploratório. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 12(2), 241-252.

PCN. (1997). Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: Brasil.

PNE. (2014). Planejando a Próxima Década Conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Brasília: Brasil.

Petrilli A. S. e Caran E. M. (2003). Câncer. Em: V. Coates, G. Worcman, L. Françoso (edt ), Medicina do Adolescente. (p. 267 - 273). São Paulo: Sarvier.

Presti, P. de F. et al. (2012). Estudo epidemiológico de câncer na adolescência em centro de referência. Revista Paulista de Pediatria, 30(2), 210-216.

Pui, C.H. (edt.). (2006). Childhood Leukemias. Cambridge: University

Press. Seber, A. (2012). Transplante de Medula Óssea. Em: S. R. Loggetto, M. V. F. Park e J. A. P. Braga (org.) Oncologia para Pediatra, série atualizações pediátricas. (p. 269-276). São Paulo: Atheneu.

Siegel R. et al. (2014). Cancer statistics. CA Cancer J Clin, 64, 09-29.

Ward, C. de S. et al. (2014). Childhood and Adolescent Cancer Statistics. CA Cancer J Clin, 64, 83-103.

Zanoni, A. P. et al. (2010). A percepção de adolescentes submetidos ao transplante de células tronco hematopoéticas em relação à própria hospitalização. Revista RSBPH, 13(1), 136-156.

Zebrack, B. J. et.al.(2002). Psychological outcomes in long-term survivors of childhood leukemia, Hodgkin’s disease, and non-Hodgkin’s lymphoma: a report from the Childhood Cancer Survivor Study. Clinical Pediatrics, 110, 45-52.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2018 Revista Internacional de Humanidades Médicas

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

URL: http://journals.epistemopolis.org/index.php/hmedicas/