A imagem artistica nos anos de chumbo / Artistic Image in the Years of Lead

  • Tatiane De Oliveira Elias Universidade do Porto

Resumen

ABSTRACT

The Brazilian dictatorship (1964-1984) directly influenced Brazilian arts. Various artists addressed death, torture, and riot scenes in their works. This era of upheaval and oppression played an important role in Brazilian visual art, films, music, theater, literature and politics and is very important to understand avant-garde art of the time and the pronounced changes of the arts in general. In this paper I will examine the ways in which Brazilian artists have expressed and responded to the social, economic and political crisis of dictatorship. Moreover they resisted American cultural imperialism and displayed culture and social realities of Brazil.

RESUMO

Hélio Oiticica (1937-1980) foi um artista brasileiro contemporâneo. Ele fez obras abstratas, performance, instalação, fotografia e filmes. Sua obra se insere em uma época em que o Brasil estava se modernizando com acontecimentos como, por exemplo, a construção de Brasília; a primeira Bienal de Artes de São Paulo; a presença de Max Bill (artista suíço) no Brasil.

Oiticica esteve em Sussex em 1969 e em Nova Iorque no decorrer dos anos 70 e retornou ao Brasil (1978). O artista pôs sua obra - contextualizada entre os anos 50 a 80 - em contato com o meio social das favelas do Rio de Janeiro, com a escola de samba da Mangueira e com a criminalidade do Rio. Todos estes fatores apresentaram uma relação com sua obra.

Citas

Amaral, A. H. (1986). Obra sobre papel 30 anos. Campinas: Museu de Arte Contemporânea.

Baigorri, L. (2006). Vídeo: primera etapa el vídeo en el contexto social y artístico de los anos 60/70. Madrid: Brumaria.

Brett, G. (2007). Oiticica in London. Londres: Tate publishing.

Cavalcanti, J. D. (2005). Artes plásticas: vanguarda e participação política (Brasil anos 60 e 70). Campinas: UNICAMP.

Campos, H. (1971). Haroldo de Campos 1, p. 3. In: http://www.itaucultural.org.br/aplicExternas/enciclopedia/

ho/index.cfm?fuseaction=documentos&cd_verbete=4523&cod=680&tipo=2

Cardoso, I. E Lucchetti, R. F. (orgs.) (1990). Ivampirismo: O cinema em Pânico. Rio de Janeiro: Editora Brasil-América (EBAL).

Catálogo Galerie Jeu Du Paume (1992). “Hélio Oiticica”. Paris.

Catálogo Hélio Oiticica (1992). Rio de Janeiro, Centro de Arte Hélio Oiticica.

Costa, C. G. F. da & Sergl, M. J. (2007). A música na ditadura militar brasileira - Análise da sociedade pela obra de Chico Buarque de Holanda. Revista eletrônica de Iniciação Científica. Ago 2007. Ano I, n. 1. p. 35-40.

Favaretto, C. (1992). A Invenção de Hélio Oiticica. São Paulo: Edusp.

Goulart, S. (1997). “Cinema e artes Plásticas: os caminhos do experimental nos anos 70”. Cinema Brasileiro três olhares. Niterói: Ed. UFF.

Herkenhoff, P. (1999). Antônio Dias. São Paulo: Ed. Cosac & Naif.

Lima, A. M. (1996). Hélio Oiticica. Entrevista com Hélio Oiticica. A Cigarra. Site do Itaú Cultural, consultado no dia 27/11/2001.

Morais, F. (1995). Cronologia das Artes Plásticas no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Topbooks.

— (25/3/1968). O herói e o anti-herói anônimo. Site Itaú cultural: www.itaucultural.org.

Oiticica, H. (1986). Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Ed. Rocco.

— (1992). Catálago da exposição Hélio Oiticica. Paris: Centre Georges Pompidou.

— (1986). Folha de São Paulo. 25.01.1986.

— (2009). Terra que Treme. In . Consultado em 04. 04.2009.

— Trama da Terra que treme. IN: www. Itaucultural.org

Oiticica, H.; Clark, L. (1998). Cartas: 1964-74. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ.

Salomão, W. (1996). Hélio Oiticica, qual é o parangolé? Rio de Janeiro: Ed. Relume Dumará.

Publicado
2017-08-07
Cómo citar
De Oliveira Elias, T. (2017). A imagem artistica nos anos de chumbo / Artistic Image in the Years of Lead. Revista Internacional De Cultura Visual, 4(1), 36-43. Recuperado a partir de https://journals.epistemopolis.org/imagen/article/view/235
Sección
Artículos