A imagem e o imaginário da cidade paradigmática: uma leitura do espaço-tempo no filme Meia Noite em Paris / Image and Paradigmatic City's Imaginary: a Space-Time Reading at "Midnight in Paris"

  • Valéria Cristina Pereira da Silva Universidade Federal de Goiás (UFG)

Resumen

ABSTRACT

Paris are a emblematic and paradigmatic city cause it's most showing in images. The landscape, the Urbanism, the architectural forms are used as a model to city around the world, inclusively in Brazil. Talking about urban imaginary, at any context, demand uses this referential space. This is a city who has a very long time of existence and a very big cultural legacy who produce a very rich representation. Woody Allen at "Midnight in Paris" was captured the essence of this imaginary where, to find the real city, we need search them at an old era. The time steps surround the city and suited their landscape, as proven W. Benjamin (1989) the temporal elements more heterogeneous can be found side-by-side. In this way, this article's goal is, such a city's image showing at "Midnight in Paris", analyzing the senses of urban temporalities at her relationship with the paradigmatic imaginary of the French's capital city, overall as irradiating of model and metaphors. The theoretical and methodological support used for this examination is Gaston Bachelard's imagination's phenomenology and the Walter Benjamin elaboration, where an imaginary "flanerie" will be undertaken at this time-city wrought by W. Allen.

RESUMO

Paris é uma cidade emblemática e paradigmática por ser a mais difundida em imagens. A paisagem, o urbanismo, as formas arquitetônicas serviram de modelo para as cidades em todo mundo, inclusive no Brasil. Falar de imaginário da cidade, em qualquer contexto, implica em recorrer a esse espaço referencial. Trata-se de uma cidade que contém o tempo e um denso legado cultural que produziu igualmente uma rica representação. Woody Allen no filme Meia Noite em Paris captou a essência desse imaginário para o qual, o encontro com a cidade consiste em buscar uma época passada. Os de-graus do tempo emolduram a cidade e conformam sua paisagem, como afirma W. Benjamin (1989) os elementos temporais mais heterogêneos encontram-se lado a lado. Desse modo, o objetivo deste trabalho é, a partir da imagem da cidade apre-sentada no filme Meia Noite em Paris, analisarmos o sentido da temporalidade urbana na sua relação com o imaginário paradigmático da capital francesa, sobretudo, como irradiadora modelos e metáforas. O aporte teórico-metodológico utilizado para essa investigação é a fenomenologia da imaginação de G. Bachelard e a montagem benjaminiana, onde uma flanerie imaginária será empreendida nesta cidade-tempo forjada por W. Allen.

Citas

Aguiar, L. A. (2013). A Paris de Hemingway em Paris é uma festa por Ernest Hemingway. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Allen, W. (2011). Midnight in Paris. Culver City, Calif: Sony Pictures Home Entertainment.

Bachelard, G. (1985). O direito de sonhar. São Paulo: Difel.

— (1989). A Chama de uma vela . Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

— (2000). A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes.

— (1988). A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes.

Barry, J. (1980). Somewhere in time: Original motion picture soundtrack . Universal City, CA: MCA Records.

Batista, M. R. (2012). Os artistas brasileiros na Escola de Paris: anos 1920. São Paulo: Editora 34.

Benjamim, W. (1989). Obras escolhidas lll: Charles Baudelaire um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense.

— (1995). Obras escolhidas II: Rua de mão única. São Paulo: Brasiliense.

— (2009). Passagens . Belo Horizonte: UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial.

Dubois, P. (2012). O ato fotográfico . Campinas: Papirus.

Durand, G. (1992). As estruturas antropológicas do imaginário . São Paulo: Martins Fontes.

Franco, M. (2014). Eterna meia-noite em Paris. Revista Bula. Acesso em 05 de julho de 2014. http://www.revistabula.com/2523-eterna-meia-noite-em-paris/

Haddad, J. A. (2011). Interpretações das mil e uma noites. Collatio 6 . Acesso em 09 de setembro de 2011. http://www.hottopos.com/collat6/jamyl.htm

Hemingway, E. (1964). Paris é uma festa. São Paulo: Circulo do Livro.

— (2013). Paris é uma festa. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Jarouche, M. M. (2006). Livro das mil e uma noites . São Paulo: Globo.

Jones, C. (2013). Paris: biografia de uma cidade. Porto Alegre/RS: L&PM.

Manguel, A. (2001). Lendo Imagens: uma história de amor e ódio. São Paulo: Cia das Letras.

Matos, O. (1989). Traduzir Proust em O tempo redescoberto, v .7 por Marcel Proust, 293-295. São Paulo: Globo.

Pesavento, S. J. (1999). O imaginário da cidade: visões literárias do urbano – Paris, Rio de Janeiro, Porto Alegre. Porto Alegre: UFRGS.

Portzamparc, C. (1992). A terceira era da cidade. Revista Óculum 9 , pp. 40-49.

Publicado
2016-05-05
Cómo citar
Pereira da Silva, V. C. (2016). A imagem e o imaginário da cidade paradigmática: uma leitura do espaço-tempo no filme Meia Noite em Paris / Image and Paradigmatic City’s Imaginary: a Space-Time Reading at "Midnight in Paris". Revista Internacional De Cultura Visual, 2(1). Recuperado a partir de https://journals.epistemopolis.org/imagen/article/view/650
Sección
Artículos