Interregno antropotécnico / Anthropotechnical Interregnum

Alexandre Quaresma (RENANOSOMA)

Resumen


ABSTRACT

The central aim of this article is to reflect critically about current conditions anthropotechnical of humani-ty, something analogous to the state of the art in current technological interface with emerging social realities, and their prospects horizons concerning social conjunctions that are constructed by technological means, paying particular attention to exponential technoscientific developments of Modernity and Post-modernity, these events that cause a sudden change in how we perceive the reality around us and circumscribes, redefining it radically. We will also try to demonstrate that, in fact, determine our technologies to conceive them and Plasma them socially but also just being equally and in opposite direction, determined by these fields important of societal life, since technical and structural technologies (such as genetics, cloning, the bioengenheiramento and transgenias, for example) are interfering deeper in our daily lives, to the point extraordinary and ambiguous they can even determine the biomolecular structure of our carnal constitution, or is, until something reckless and social bioethically talking. We will also launch poignant light on the question of indetermination in relation to the future societies and technologies and the endless and overdeterminations determinism they impose to each other in order to influ-ence mutually back-to extreme peculiarity and plasticity; remembering that the second (technologies) are (and will be) contained in the first (societies), as there could be, and that we humans, so even just getting influences and important deter-minations of both forces and entities. It is also worth noting that there is, in this context, a blatant lack of technologies and technosciences we produce and use, and it is then that we now turn.

RESUMO

O objetivo central deste artigo é refletir criticamente acerca das atuais condições antropotécnicas da humanidade, algo análogo ao estado da arte tecnológica atual em interface com as realidades sociais emergentes, suas perspectivas e horizontes quanto às conjunções sociais que se constroem por meios tecnológicos, dedicando especial atenção aos exponenciais desenvolvimentos tecnocientíficos da Modernidade e Pós-modernidade, eventos estes que provocam uma súbita mudança na maneira como percebermos a própria realidade que nos circunda e circunscreve, resignificando-a radicalmente. Tentaremos demonstrar também que, de fato, determinamos nossas tecnologias ao concebê-las e plasmá-las socialmente, mas também acabamos sendo, de igual modo e no sentido inverso, determinados por elas em campos importantes da vida societal, já que técnicas e tecnologias estruturantes (como a genética, clonagem, o bioengenheiramento e as transgenias, por exemplo) estão interferindo cada vez mais fundo em nossas vidas cotidianas, chegando ao ponto extraordinário e ambíguo de poderem determinar até mesmo a estruturação biomolecular de nossa constituição carnal, ou seja, algo até temerário social e bioeticamente falando. Lançaremos luz também sobre a pungente questão da indeterminação, no que se refere ao futuro de sociedades e tecnologias, e das infindáveis sobredeterminações e determinismos que estas impõem umas às outras, no sentido de se retro-influenciarem mutuamente com extremada peculiaridade e plasticidade; lembrando sempre que as segundas (tecnologias) estão (e estarão) contidas nas primeiras (sociedades), como não poderia deixar de ser, e que nós, seres humanos, por isso mesmo, acabamos recebendo influências e determinações importantes de ambas as forças e entidades. Vale destacar ainda que existe, neste contexto, um flagrante descontrole sobre as tecnologias e tecnociências que produzimos e usamos, e é disso então que trataremos a seguir.


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


Dubos, R. (1972). O despertar da razão. São Paulo: Melhoramentos/EDUSP.

Feenberg, A. (2010). A teoria crítica de Andrew Feenberg: racionalização democrática, poder e tecnologia . Brasília: Observatório do Movimento pela Tecnologia Social na América Latina/ CDS / UnB / Capes. Série Cadernos - Primeira Versão / construção social da tecnologia/ número 3-2010.

Habermas (2004). O futuro da natureza humana. São Paulo: Martins Fontes.

Horkheimer, Max e Theodor, Adorno (1975). Textos Escolhidos: Conceito de Iluminismo . Coleção Os Pensadores, volume XLVIII. São Paulo: Abril Cultural.

Hottois, Gilbert e Susanne, Charles (1993). “Eugenia”. Em: Dicionário da Bioética , orgs: Gilbert Hottois e Marie-Hélène Parizeau. Lisboa: Instituto Piaget.

Jonas, Hans (1979). O princípio responsabilidade – Ensaio de uma ética para a civilização tecnológica. Rio de Janeiro: PUC.

Kaku, Michio (1997). Visões de futuro – Como a ciência revolucionará a o século XXI. Rio de Janeiro: Rocco.

Kneller, George F. (1980). A ciência como atividade humana. São Paulo: Zahar Editores.

Lévi-Strauss, Claude (2003). Antropologia estrutural . Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Le Breton, David (1990). Antropologia do corpo e modernidade. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

Morin, Edgar (2001). O método 2: A vida da vida. Porto Alegre: Sulina/Meridional.

— (2001). O método 5: A humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina/Meridional.

Oliva, Alberto (2003). Filosofia da ciência . Coleção Filosofia Passo a Passo, volume 31. São Paulo: Editora Zahar.

Quaresma, Alexandre (2011). A tecnicização do humano . In IX Congresso Latinoamericano de dinámica de sistemas. Brasília, Brasil.

— (2012). Determinados por nosso próprio determinismo. In IV Congresso Internacional sobre Ciência e Sociedade. Berkeley, Estados Unidos.

— (2012). Crítica sobre a origem e os fundamentos da nova desigualdade entre os homens. In IX Jornadas Latinoamericanas de Estudios Sociales de la Ciencia y la Tecnología – ESOCITE. Cidade do México, México, 2012. http://pt.scribd.com/doc/93571357/Programa-ESOCITE-2012-Desglosado ISBN: 978-607-02-3278-7.

— (2013). O injustificado imperativo genético . In V Congresso Internacional sobre Ciência e Sociedade. Varsóvia, Polônia.

Russell, Bertrand (1949). A perspectiva científica . São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Sfez, Lucien (1995). A Saúde Perfeita – Críticas de uma utopia. Lisboa: Instituto Piaget.

Silva, Franklin Leopoldo e (2010). “Humano, transumano, pós-humano”. Revista MSG , número 3, ano I. São Paulo: Lazuli.

Trigueiro, Michelangelo (2009). Sociologia da tecnologia – Bioprospecção e legitimação. São Paulo: Centauro.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2014 Revista Internacional de Tecnología, Ciencia y Sociedad

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

ISSN: 2530-4895

URL: http://journals.epistemopolis.org/index.php/tecnoysoc